15 Agosto 2017
O leite nem sempre foi a bebida conveniente que é hoje. Antes do advento da garrafa de vidro de leite em 1879, os consumidores precisavam levar seus próprios baldes ou barris para encherem em um distribuidor. Embora a garrafa de vidro tenha sido um grande salto, ainda era necessário lavá-la manualmente e o leite tinha um prazo de validade reduzido. A necessidade de uma melhor embalagem e tecnologia de processamento cresceu continuamente, especialmente com o avanço do varejo moderno.

Ruben Rausing, fundador sueco da Tetra Pak, que era fascinado pelos recipientes de comidas americanas, teve a ideia de criar uma embalagem para armazenar leite produzida com o mínimo de material, mas com o máximo de higiene. Ele desenvolveu a primeira embalagem a base de papel para produtos líquidos - uma embalagem cartonada em forma de tetraedro e a primeira da Tetra Pak.

Mesmo com essa inovação, o processo de envase ainda era um desafio para a longevidade do leite. O fluxo do alimento tinha que ser interrompido e reiniciado a cada embalagem produzida – processo que dava tempo para bactérias se infiltrarem e, consequentemente, diminuía o prazo de validade do produto. 
De acordo com Rausing, o problema foi resolvido em um almoço com sua mulher, Elisabeth, quando ela sugeriu o preenchimento contínuo do leite na embalagem e sua vedação.

Esse comentário inspirou o método de envase contínuo que seria reconhecido como uma das grandes inovações alimentícias do século 20 pelo IFT (Institute of Food Technologists, Instituto de Tecnologias de Alimentos, em português).  Para prevenir que ar não esterilizado entrasse em contato com o leite colocado nas embalagens cartonadas, ele foi inserido por uma máquina do topo de cada unidade e vedado abaixo do nível do líquido. 

O leite livre de bactérias, junto com o surgimento da tecnologia de embalagem asséptica, alcançou o que outras embalagens falharam em fazer, estendendo o prazo de validade do leite e tornando possível sua distribuição em todo o mundo. As modernas máquinas de envase da Tetra Pak ainda utilizam alguns princípios originais de Rausing, ao mesmo tempo em que evoluem para ser mais rápidas, mais eficientes e higiênicas, e utilizar menos energia e recursos. O eBeam da Tetra Pak, por exemplo, é uma técnica de esterilização de embalagem que usa feixes de elétrons ao invés de peróxido de hidrogênio. O sistema elimina a necessidade de esterilização química, reduzindo a necessidade de armazenamento e tratamento de químicos e, consequentemente, consumindo menos água e energia.

Hoje, a Tetra Pak tem 17 tipos diferentes de máquinas de envase para fornecer comidas e bebidas seguras para bilhões de pessoas ao redor do mundo, e continua inovando com novas tecnologias para tornar o processamento e envase de comida mais seguro, mais eficiente e mais amigável ao meio ambiente.


 
<< Voltar