02 Março 2017

Pesquisas ressaltam poder de compra e as demandas específicas das pessoas com mais de 60 anos

Com rendimentos mais expressivos, disponibilidade para compra e valorização de produtos de qualidade, o público sênior tem chamado a atenção da indústria do consumo. Formado por indivíduos com 60 anos ou mais, este grupo possui uma visão diferente sobre a vida, em relação a gerações mais novas. Com mais tempo livre e dinheiro para gastar em artigos que apreciam, eles se tornaram a parcela de consumo da população que mais cresce no mundo, com poder de compra que deve chegar a R$ 30 trilhões em 2020.

É o que revela o relatório “Consumer Generations”, divulgado pela Tetra Pak neste ano. A pesquisa entrevistou mais de 40 mil pessoas, de 27 países, e encontrou os principais hábitos das pessoas com mais de 60 anos. 

Segundo as Nações Unidas, até 2050 mais de 22% da população mundial terá 60 anos ou mais, em comparação a apenas 8% hoje. No Brasil, a população idosa vai triplicar, passando de 19,6 milhões (10% da população brasileira), em 2010, para 66,5 milhões de pessoas, em 2050 (29,3%).  

A ESCOLHA DO PRODUTO
De acordo com o estudo, a geração sênior investe 20% do orçamento em alimentos e bebidas. Na hora de escolher estes produtos, 88% priorizam a qualidade como fator decisivo e 59% estão dispostos a pagar mais caro para garanti-la. Preço é uma questão menos essencial do que em outras faixas etárias - apenas 39% são sensíveis a valores.  

A maioria dos entrevistados vai às compras com mais frequência e adquire diferentes categorias de produtos. Eles tendem a comprar perto de casa, em lojas menores. Demandam artigos de maior qualidade e muitos são mais fieis quando se trata de permanecer com as marcas nas quais acreditam. 

No Brasil, há outros aspectos interessantes nesse processo. Pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em 2016 apontou que o atendimento é levado em conta por 48% dos idosos no momento da compra. No País, os principais locais de compra são as farmácias/drogarias, seguidos de lojas de rua/bairro e lojas de shoppings. 

No caso de serviços oferecidos em domicílio, os mais relevantes para entrevistados são a entrega de medicamentos com 63%, de compras feitas em supermercados com 50% e de comida com 32%.
 
AS NECESSIDADES DOS CONSUMIDORES
Há demandas, contudo, que continuam presentes no dia a dia dessa população. Ambas as pesquisas demonstram que pessoas acima de 60 anos sentem falta de produtos segmentados às suas necessidades. Entre as queixas e pedidos está a falta de sinalização com letras maiores em lojas e em rótulos. 

Outro aspecto relevante pontuado no relatório da Tetra Pak é a valorização de atributos como saúde e estilo de vida ativo. Mais da metade dos entrevistados considera comidas e bebidas instrumentos para uma saúde melhor. “A geração sênior está pronta para se tornar um dos grupos de consumidores mais importantes da próxima década. É uma grande oportunidade para a indústria entender essas demandas e melhor atendê-las”, afirma Libby Costin, vice-presidente Global de Marketing da Tetra Pak.

VOCÊ SABIA?
  • A embalagem ideal para o público sênior precisa oferecer: 
  • Facilidade de abertura, com tampas que não demandem força e que não deslizem facilmente das mãos; 
  • Leveza e firmeza para melhor manuseio. 
  • Vida útil mais longa, exigindo menos viagens de compra.
  • Informações claras, com letras grandes, cores brilhantes, imagens atrativas e rotulagem explicativa. Isso também se aplica aos dados nutricionais e data de validade em locais proeminentes.  
  • O Japão foi pioneiro no desenvolvimento de sucos concentrados de vegetais, um produto de forte demanda pelo público sênior do país. 
  • O primeiro leite fortificado para adultos com mais de 60 anos foi produzido na China. Ele vem em dois formatos: para a saúde óssea com vitamina D e para a proteção do coração com óleo de peixe e lecitina. 

Fontes: Pesquisa Consumo na Terceira Idade e Estudo Consumer Generations 
 
<< Voltar